Total de visualizações

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Técnica do ‘Aedes do bem’ é apresentada à população de Paranaguá


Na manhã desta sexta-feira (08), o prefeito Edison Kersten, junto com a secretária municipal de Saúde, Sandra Machado Marcondes, participou de apresentação técnica relacionado à aplicação dos mosquitos Aedes Aegypti geneticamente modificados, feita pelo biólogo e gerente da empresa responsável pelo método científico, a Oxitec do Brasil, Cláudio Fernandes. A médica da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) e primeira-dama, Dra. Terezinha Flenik Kersten, também esteve na apresentação, que foi aberta à sociedade, fazendo parte do processo de engajamento público para futura aplicação do método em Paranaguá. A medida ainda está sendo negociada entre a Prefeitura e a empresa e deverá ser aplicada em cerca de três a quatro meses.

“A presença da sociedade organizada nesta reunião é muito importante, pois a técnica do Aedes do bem vem a trazer mais um recurso a ser aplicado na luta contra o mosquito. O envolvimento de todos é fundamental, mas ainda mais essencial é que os cidadãos continuem a eliminar criadouros em suas residências, fazendo o checklist diário e atuando na conscientização na luta contra a dengue”, afirma o prefeito Edison Kersten. Ele ainda ressaltou os investimentos feitos em 2016 na limpeza pública, com contratação de mais de 100 funcionários, equipamentos e maquinário para intensificar a eliminação de criadouros. 

Segundo o prefeito, já está em diálogo avançado a negociação com a empresa para a aplicação do “Aedes do bem” em Paranaguá. Inicialmente, daqui a cerca de três a quatro meses, a técnica será aplicada em áreas mais críticas com relação a número de casos de dengue, beneficiando 30 mil pessoas em um primeiro momento, através de recursos próprios do município. O prefeito Edison já está negociando com a União, Governo do Estado e Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), para que o “Aedes do bem” seja aplicado, posteriormente, em toda a cidade.

sábado, 2 de abril de 2016

Dez tentativas de acabar com o Aedes no Brasil

Pensando na insuficiência das maneiras tradicionais de prevenção, pesquisadores do Brasil e no exterior estão buscando alternativas, que vão desde o uso de radiação e mosquitos transgênicos até o desenvolvimento de biodetergentes, para eliminar os criadouros do mosquito

O Aedes aegypti desenvolveu uma série de mecanismos evolutivos para sobreviver, escapando de todas as táticas de prevenção e controle existentes até hoje. Investir em novas iniciativas de combate ao mosquito é essencial para lutar contra as doenças transmitidas por ele(James Gathany/PHILL, CDC/VEJA)

O Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, é extremamente adaptado aos ambientes urbanos. Ao longo dos séculos, suas fêmeas aprenderam a colocar ovos apenas em ambientes artificiais que retêm água e a não colocar todos os ovos em um só lugar. Garantindo assim, que alguma porção sobreviva. Além disso, os ovos podem sobreviver por meses (mesmo sem água). Todas essas características fazem com que as medidas atuais de combate ao mosquito - uso de larvicidas, inseticidas e adulticidas (fumacê) - não sejam suficientes para acabar com ele. Pensando nisso, pesquisadores do Brasil e no exterior estão buscando alternativas para eliminar os criadouros que vão desde o uso de radiação e mosquitos transgênicos até o desenvolvimento de biodetergentes.

"Os esforços que temos hoje são insuficientes no combate ao Aedes. O fumacê, por exemplo, é uma medida duvidosa. Não sabemos se o mosquito é resistente ou não ao inseticida borrifado nas casas, e depois da chuva os efeitos dele são nulos. É uma medida que precisa ser aprimorada e analisada, para compreendermos a toxicidade em humanos", explica Paulo Ribolla, entomologista especialista em Aedes aegypti da Unesp. Por isso, investir em iniciativas que visam combater o mosquito é a melhor estratégia para lutar contra as doenças transmitidas por ele. Além do governo, a população tem uma grande parte no papel de combate ao vetor, segundo o especialista. "A informação é uma das principais medidas que devem ser adotadas. As crianças deveriam aprender na escola como evitar a criação de focos do mosquito, e quais as doenças que ele transmite", afirma.

Leia também:

sexta-feira, 1 de abril de 2016

TCE aponta rombo de R$ 40 milhões na Prefeitura de Paranaguá; Baka e Kersten tem bens bloqueados

Ex-prefeito, ex-primeira dama e atual prefeito tiveram os bens bloqueados – Foto: Reprodução

Uma medida cautelar concedida pelo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Nestor Baptista, bloqueou os bens do atual prefeito de Paranaguá, Edison Kersten (PMDB), do ex-prefeito José Baka Filho e de sua ex-mulher Jozaine Baka, além de empresários e dos vereadores Márcio Costa (PRP) e Sandra Neves (PDT), ambos ex-secretários na gestão do ex-prefeito.

De acordo com a decisão, uma auditoria do órgão apurou graves irregularidades no pagamento de valores aproximados de R$ 40 milhões pela prefeitura, à empresas de Tecnologia e Informação, entre elas, a EICON que tem envolvimento direto do doleiro Lindolfo Júnior – Acusado de formação de cartel em um processo federal que apura desvios e caixa dois em Rondônia.

O inquérito de número 133129/16 foi debatido pelo plenário do TCE-PR na sessão desta quinta-feira. O processo não foi votado após pedido de vista pelo conselheiro Artagão de Mattos Leão; O prazo regimental para o processo voltar à pauta é de até quatro sessões.

INVESTIGAÇÃO

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Estado orienta prefeitos do litoral sobre gerenciamento de lixo

O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos e as ações que ajudarão as cidades a cumprirem a Lei 12.305/2010, que trata da matéria, foram os assuntos da reunião do Conselho de Desenvolvimento Territorial do Litoral Paranaense (Colit), realizada nesta segunda-feira (09). O encontro reuniu o secretário estadual do Meio Ambiente, Luiz Eduardo Cheida, e os prefeitos e secretários do Meio Ambiente de Guaratuba, Matinhos, Antonina, Morretes, Guaraqueçaba, Pontal do Paraná e Paranaguá. Os prefeitos e secretários receberam orientação sobre como atuar na questão dos resíduos sólidos.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Richa entrega titulação de terras para 222 famílias do Litoral, em cinco anos, Paraná entregou 2.770 títulos de propriedade de terra

Participaram da solenidade em Paranaguá os deputados estaduais Artagão Junior, Alexandre Curi e Nelson Justus; a prefeita de Guarapuava, Ivani Justus; o diretor do Porto de Paranaguá, Lourenço Fregonese. 

O Governo do Estado entregou nesta sexta-feira (19) títulos de terra para 222 famílias de pequenos produtores de Paranaguá e Pontal do Paraná, no Litoral do Estado. As glebas onde vivem são de terras devolutas (pertencentes do Estado). O governador Beto Richa esteve em Paranaguá, onde 181 famílias tiveram suas propriedades tituladas. Em Pontal do Paraná, 41 famílias foram beneficiadas. 

O governador falou sobre a importância da medida. “É um sonho de décadas de muitas famílias, que estamos atendendo agora. Com a titulação, as famílias podem ter mais segurança, mais facilidade para obter financiamentos e acesso a programas sociais”, afirmou o governador. “Com os imóveis regularizados, podemos, junto com o município, investir nessa região, com pavimentação, saneamento, melhorias de infraestrutura”, disse ele. Desde 2011, o Governo do Estado entregou 2.770 títulos de propriedade de imóveis em terras devolutas. 

MINHA TERRA PARANÁ - A ação, realizada pelo Instituto de Terras, Cartografia e Geociências (ITCG), faz parte do Programa de regularização fundiária Minha Terra Paraná, implantando no estado em 2011. O programa trabalha a regularização de terras devolutas, como essas de Paranaguá e Pontal, e também com apoio para regularização de terras particulares.